Featured post

The Magical Pool

For my goddaughter Lara. A beautiful ray of sunshine. It was very early in the morning and Otto the Octopus was still sound a...

Sunday, 30 May 2010

VOA, VOA PAPAGAIO VOA!


Soltei o fio do nosso pagagaio. Não me custou tanto como temia. Doi, mas sobrevivirei.
Aceito a minha culpa: já há muito que não voava um papagaio; há muito que não me deixava deslumbrar deste modo. Mas como podia ter resistido? No início eras simplesmente delicioso, despertando em mim um sentimento de pertença. Só que não era uma relação de igualdade...Depois de muita flutuação de humores, reencontrei a lucidez e já não olho de baixo para cima, mas de igual para igual. À mesma altura, deu para ver que o fio do papagaio que voávamos em conjunto estava mais frouxo do teu lado. Pudera! Com os outros tantos papagaios que tinhas na mão, não podia ser de outra maneira. Durante algum tempo ainda tentei manter o papagaio no ar pelos dois, mas um dia vi que estava cansada. Afinal, tanta flutuação não me assentava bem. Muito menos me agradava. Por isso soltei o fio...
Enquanto tu não largares o fio do teu lado, o nosso papagaio poderá continuar a sobrevoar as nossas vidas...só que já sem as confidências de quem parece conhecer-se de outras vidas, e sem aquele sentimento de pertença. O meu sentimento de pertença (nisto nunca tive ilusões).
Estarei aqui, enquanto houver vento e enquanto continuares a segurar no fio do nosso papagaio.
Estarei aqui, só que não como dantes, sem flutuações...normal, normalito.
Voa, voa papagaio voa.
Soltei o fio. Doi. Sobrevivirei.

No comments:

Post a Comment