Featured post

The Magical Pool

For my goddaughter Lara. A beautiful ray of sunshine. It was very early in the morning and Otto the Octopus was still sound a...

Sunday, 19 December 2010

The Golden Key

           Once upon a time there was a pretty ballerina who lived in a music box. For a long time she was happy. Every day a dear friend of hers would open the box and watch her dance to the sound of The Dance of the Damsels of the Court. At the end of her performance her friend would tell her what her day had been like – sometimes the stories were funny, other times they were rather sad, but even then her friend would say, ‘Everything will be all right!’
           Of late, however, the little ballerina had noticed how her friend seemed to be fading away: she had a painful smile and her eyes lacked the delightful sparkle she used to detect when her performance was over. What could the problem be? Soon the mystery was solved: her friend told her the story of life and death and how some people are fortunate enough to live a long life of joys and sorrows, hopefully many more joys than sorrows…that she had lived a good life but now her time had come to part this world and head back home. She would no longer be able to watch the little ballerina perform but she needn’t worry for they’d always be together in the memories they shared. Of course, the little ballerina was sad. She didn’t want her friend to go…and what would happen to her? Who would open her box every evening and let her dance? Would she be thrown into some old mothball-smelling chest and forever be forgotten? But her wise friend soothed her worries and told her that the end was just the beginning, everything would fall into place…that like herself, the little ballerina would also find her way…
           Her way? What way? Where to? So many questions left unanswered! If only she were an ice-skater, she’d be free to go wherever she pleased. Instead, she was trapped in the box with no one to applaud at the end of her dance. But she was a wilful little ballerina, she was. The more she thought about what she’d do if she were an ice-skater, the more she believed it could happen: Closing her eyes, she would picture herself skating on a beautiful icy lake and the picture she created in her mind was so intense that one day it actually happened. How? It really didn’t matter to her. She was on cloud nine!
           What happened in reality was that the image she had created of herself on that icy lake was so powerful that a whole bunch of events were drawn together to make it happen. This is what people mean by synchronicity. In this case, following the wishes of the old woman, her belongings were saddled onto a pick-up truck and taken to the Salvation Army’s store. And because what must happen is bound to happen sooner or later, a bumpy road would lend the music box a helping hand to jump off the truck, and the steep hill below would let it slide down its slope and take it onto the frozen lake.
           But none of this mattered to the little ballerina. All she cared about was the fact that she was there now. That she could now move her legs freely was of no importance to her either. It was her dream come true!
           For a very long time she skated on the frozen lake, oblivious to everything she had been through…until the day she remembered her friend’s last words, ‘You, too, will find your way…’ All of a sudden, the lake seemed too small for her. So she skated into the thick woods, overwhelmed by the new smells, noises, and the few odd creatures that had ventured out on that cold winter day. That wonderful new world distracted her for a while until she realised she was actually skating round and round in circles. She was determined to find her Way, so up a tall slender tree she went in her pretty pink tutu…
           Once she reached the top she was first dazzled by the brightness of the winter sky and then amused by the friendly clouds. There was one cloud in particular that seemed to be enjoying her company. It would sail around her head in a teasing way and, then, when she least expected, it would grab her face in its chubby hands and smack a loud kiss on her rosy cheeks. What fun! She almost forgot why she had climbed up there in the first place. As soon as she remembered, she placed her hand on her forehead right above her eyes like a sailor trying to sight land and started looking for something that might look like Way. That is when, on the far right on the horizon, she saw a beautiful crystal palace. ‘That’s it. That’s where I must go.’ she said aloud. But no sooner had she uttered those words than, from the corner of her left eye, she caught sight of a winged being waving at her from a rugged cliff. She looked straight at him and the warmth that filled her heart was such that she immediately knew that that was where she was meant to go. She climbed back down and glided across the frozen ground towards the cliff.
           The cliff was not as rugged as it had seemed from afar: it was covered in the greenest of grass and the sun was so warm it made her feel safe like when she lived in her music box and she could still enjoy the company of her lovely friend.
           Temperance, or at least she thought that was what she had heard him call himself, held out his hand, and welcomed her. ‘I’ve been waiting for you. I knew you’d find your way here’ he said, inviting her to sit on the soft green grass. They both sat down, legs crossed, clasping each others hands, eyes tightly shut while listening to the beat of their hearts go tha-thump-tha-thump-tha-thump . All of a sudden it was as if there was nothing else around them, no sounds, no colours, no scents, just the tha-thump-tha-thump-tha-thump of their hearts beating in unison. Then a beautiful thing happened: They started levitating in a very slow, spiralling, upward movement.
           ‘Open your eyes,’ Temperance said with his soft musical voice. ‘See what you’re capable of doing! You are beautiful! You are lighter than a feather! And you’re ready for the gift you’re about to receive.’ From a pocket in his white robe he takes out a small box wrapped in glittering golden paper and tied with a silver ribbon. The girl’s eyes twinkle in delight as she pulls at the ribbon. The box bursts open and out flies the playful cloud, smacking another of its kisses on her rosy cheek. And then, from the middle of nowhere, as if performing a magic trick, it pulls out a huge gold key and hands it to her. At that very moment a million and one books start sailing around her. There are huge books, small books, tiny books, books of all sizes and colours. Without anyone telling her, the girl knows the key will open the lock on one of those books only. She must choose wisely. The key is so big that surely it would only open one of those enormous colourful books. Instead, she’s drawn to a medium-sized, brown, leather book, and like magic, it’s the perfect fit. The lock clicks open and a sudden gush of wind opens the book on a page with two messages:

           1-You are beautiful and you can do whatever you set your mind on. Just close your eyes, see it, feel it, and it will come true.

           2-You’ve just reached the starting line: you may now choose to go back to any world you please in the form of any child, animal, plant or stone…

           Still floating in the air, the girl closes her eyes and sees in her mind that she’s …
           Well, it’s such a powerful experience that only you who are reading or listening to this story can access the girl’s mind and see what she is seeing and feel what she is feeling…Go ahead, close your eyes, listen to your heart go tha-thump-tha-thump-tha-thump and experience what the once-ballerina-once-ice-skater has chosen to become…but don’t keep it all to yourself, say it, write it, draw it or even, sing it, just let it out for only then will her life start again.


- COPYRIGHT/Registado no IGAC



If you enjoyed reading this story please click g+1 and/or leave a comment.


A Chave Dourada

           Era uma vez uma linda bailarina que vivia numa caixa de música. Durante muito tempo foi feliz. Todos os dias uma amiga muito querida abria a caixa e ficava a vê-la dançar ao som de O Baile das Donzelas da Corte. Terminada a dança, a amiga contava-lhe como tinha corrido o seu dia – às vezes as histórias eram engraçadas, outras eram bastante tristes, mas, nessas alturas, a amiga dizia: – Vai correr tudo bem!
           Ultimamente, no entanto, a pequena bailarina notava que a amiga parecia definhar: o seu sorriso era triste e os seus olhos não tinham aquele brilho radiante que costumava detectar quando acabava de dançar. Qual seria o problema? O mistério não tardou a resolver-se: a amiga contou-lhe a história da vida e da morte e de como algumas pessoas tinham a felicidade de viver uma vida longa, cheia de alegrias e tristezas, com sorte mais alegrias do que tristezas ... disse-lhe que tinha tido uma vida boa, mas que tinha chegado a hora de deixar este mundo e regressar a casa. Já não poderia ver a pequena bailarina a dançar, mas que ela não se preocupasse pois estariam sempre juntas nas recordações que partilhavam. É claro que a pequena bailarina ficou muito triste. Não queria que a sua amiga partisse ... e o que seria dela? Quem abriria a sua caixa todas as noites para que pudesse dançar? Seria atirada para algum baú velho e a cheirar a bolas de naftalina, ficando aí esquecida para sempre? Mas a sua sábia amiga tentou suavizar os seus medos dizendo-lhe que o fim era apenas o início, que tudo se resolveria ... que, tal como ela, a pequena bailarina encontraria o seu caminho...
           O seu caminho? Que caminho? Para onde? Tantas perguntas foram deixadas sem resposta! Se ao menos fosse uma patinadora no gelo seria livre para ir para onde quisesse. Em vez disso, estava presa numa caixa sem ninguém que a aplaudisse no final da sua dança. Mas ela era uma bailarina muito voluntariosa. Quanto mais pensava no que faria se fosse uma patinadora no gelo, mais acreditava que isso podia tornar-se realidade. Fechando os olhos, imaginava-se a patinar sobre um belo lago gelado e a imagem que criou na sua mente era tão intensa que, um dia, se tornou realidade. Como? Na verdade, isso não tinha muita importância para ela. Ela estava nas nuvens!
           O que na verdade aconteceu foi que a imagem que criou de si própria naquele lago gelado era tão poderosa, que uma série de acontecimentos se uniram para o tornar realidade. É a isto que as pessoas se referem quando falam de sincronia. Neste caso, cumprindo os desejos da velha senhora, os seus pertences foram carregados numa carrinha e levados para o Exército de Salvação (Salvation Army). E, porque tudo aquilo que tem de acontecer, acabará, mais cedo ou mais tarde, por acontecer, uma estrada esburacada/de piso acidentado ajudaria a caixa de música a cair da carrinha, e a colina íngreme lá em baixo permitir-lhe-ia deslizar pela sua encosta, até ao lago gelado.
           Mas nada disto interessava à pequena bailarina. A única coisa que lhe importava era que agora estava ali. O facto de agora ser capaz de mover livremente as pernas também não tinha importância. O seu sonho realizara-se!
           Durante muito tempo patinou na superfície gelada do lago, indiferente a tudo por que tinha passado... até ao dia em que se lembrou das últimas palavras da sua amiga. “Também tu encontrarás o teu caminho ...” De repente, o lago pareceu-lhe pequeno de mais. Por isso, deslizou para o interior do denso bosque, maravilhada com os novos cheiros e ruídos e com algumas criaturas estranhas que se tinham aventurado a sair das tocas nesse frio dia de Inverno. Esse novo e maravilhoso mundo manteve-a distraída durante algum tempo, até se aperceber que, na realidade, estava a patinar em círculos. Estava determinada a encontrar o seu Caminho por isso, envergando o seu lindo tutu cor-de-rosa, subiu a uma árvore esguia e alta…
           Ao chegar ao topo ficou, primeiro, deslumbrada pela claridade do céu e, depois, encantada com as simpáticas nuvens. Uma dessas nuvens parecia estar a gostar particularmente da sua companhia. Voava à volta da sua cabeça como se estivesse a brincar com ela e, depois, quando ela menos esperava, tomava-lhe o rosto nas mãos gorduchas e dava-lhe um beijo ruidoso nas faces rosadas. Que divertido! Quase esqueceu a razão que a levara a subir lá acima. Mal se lembrou, levou a mão à testa, mesmo por cima dos olhos, como um marinheiro a tentar avistar terra, e começou a procurar algo que pudesse ser o Caminho. Nisto, lá longe no horizonte, do lado direito, viu um lindo palácio de cristal. – É isso! É para aí que tenho de ir – disse em voz alta. Mas, mal proferiu estas palavras, viu, pelo canto do olho esquerdo, um ser alado que lhe dizia adeus, do cimo de um penhasco escarpado. Olhou directamente para ele e o calor que tomou conta do seu coração foi tal, que soube imediatamente que era para aí que devia dirigir-se. Desceu da árvore e patinou/deslizou pelo chão gelado até ao penhasco.
          Este não era tão escarpado quanto parecia à distância: estava coberto pela erva mais verde que alguma vez vira e o sol era tão quentinho que a fazia sentir-se segura como quando vivia na caixinha de música e podia ainda gozar a companhia da sua querida amiga.
          Temperança, pelo menos foi isso que julgou ouvi-lo chamar-se, estendeu a mão e deu-lhe as boas-vindas.
          – Tenho estado à tua espera. Tinha a certeza que encontrarias o caminho até aqui – disse ele, e sentaram-se os dois de pernas cruzadas, segurando a mão um do outro e de olhos fechados, escutando o bater dos seus corações. De repente, parecia que não havia mais nada à sua volta, nem sons, nem cores, nem cheiros, apenas o Tum-Tum-Tum dos seus corações batendo em uníssono. Depois aconteceu uma coisa maravilhosa: começaram a levitar, subindo muito lentamente no ar, num movimento espiral.
          – Abre os olhos – disse Temperança, na sua voz suave e musical. – Vê só o que és capaz de fazer! Tu és linda! És mais leve do que uma pena! E estás pronta para receber a oferta que estás prestes a receber. – Do bolso da sua túnica branca retirou uma caixinha embrulhada em papel dourado, cintilante, atado com um laço prateado. Os olhos da rapariga brilham maravilhados enquanto ela puxa o laço. A caixa abre-se rapidamente e dela salta a nuvem brincalhona, depositando-lhe mais um dos seus beijos na face rosada. Então, de pleno ar, como se estivesse a fazer magia, a nuvem puxa uma enorme chave dourada que lhe entrega. Nesse preciso momento, mil e um livros começam a flutuar à sua volta. Há livros enormes, pequenos, livros minúsculos, livros de todos os tamanhos e cores. Sem que ninguém lhe diga, a rapariga sabe que a chave abrirá o fecho de um desses livros apenas. Tem de fazer uma escolha sensata. A chave é tão grande que ela sabe que apenas abrirá um dos enormes e coloridos livros. Mas, em vez de se dirigir aos livros grandes, é atraída para um livro castanho, de cabedal e de tamanho médio e, como se de magia se tratasse, a chave serve-lhe na perfeição. A fechadura abre-se com um click e uma súbita rajada de vento abre o livro numa página que contém duas mensagens:

          1.És linda e capaz de fazer tudo o que te proponhas fazer. Fecha simplesmente os olhos e visualiza-o, sente-o, que se tornará realidade.

          2.Chegaste à linha de partida: podes agora escolher regressar a qualquer mundo que desejes, na forma de qualquer criança, animal, planta ou pedra ...

          Ainda a flutuar no ar, a rapariga fecha os olhos e vê, na sua mente, que é uma...Bem, a experiência é tão forte, que apenas tu, que estás a ler ou a ouvir esta história, pode aceder à mente da menina e ver o que ela está a ver e sentir o que ela está a sentir...Vá lá, fecha os olhos, escuta o bater do teu coração e vive aquilo em que a bailarina/patinadora no gelo se quis transformar..., mas não guardes tudo só para ti, di-lo, escreve-o, desenha-o ou canta-o, mas deita tudo cá para fora, pois só assim é que a sua vida recomeçará.


- COPYRIGHT/Registado no IGAC

Se gostou de ler esta história por favor clique g+1 e/ou deixe um comentário.

Monday, 13 December 2010

YES, this is a call for action, your action: 

Thank you very much for your interest in my blog.
Do let me know your opinion by dropping in a comment.

«In a former life I was an artist, the kind that paints...I know this because some time ago, I had the privilege of meeting a very avant-garde guru of the mind, a Praying Mantis, who, in exchange for a juicy caterpillar, helped me get a glimpse into the past, through an ultra-modern technique which she called past life regression(...).» - The Beauty in Pain (May 2010)

«Numa vida passada fui artista, daqueles que pintam...Sei isto porque há uns tempos atrás tive o privilégio de conhecer um guru avant-garde da mente, uma Louva-Deus,que, a troco de uma lagarta suculenta, me facilitou um vislumbre do passado, através de uma ultra-moderna técnica, chamada regressão a vidas passadas.(...)» - Beleza na Dor (Maio 2010)

- COPYRIGHT/Registado no IGAC

Tuesday, 7 December 2010

Voltar a Sentir

           Estás à beira do abismo, entre a vida e a morte, não porque seja aquela a hora marcada muito antes de teres nascido, mas simplesmente porque já não faz mais sentido continuar a viver uma morte em vida.
           Uma das poucas pessoas em quem confias, reconhece os síntomas do anestesiante abandono do querer e propõe submeteres-te a uma experiência extrema, ao fim da qual poderás renascer de novo. É-te pedido apenas uma entrega total por seis dias e um dia. (É óbvio que se trata de uma semana, mas se escolhi dizer seis dias e um dia, por alguma razão será!) Neste momento não tens nada a perder e entregas, sem cláusulas nem requisitos, o teu corpo adormecido a esse alguém e à sua experiência.
Vamos supor que esse alguém em quem se confia és tu e que a morta-em-vida sou eu...
           Durante seis dias fiquei instalada num bunker esquecido no meio de sei lá onde, pois foi de olhos vendados que cheguei até alí.
           Encerrada – num abrigo subterrâneo blindado, à prova de som, com apenas o chão debaixo dos meus pés; se estaria vazio não sei, pois foi-me dito que as vendas deveriam ficar postas ao longo de toda experiência. Em seguida, o espetar no meu corpo, há muito entorpecido, das intravenosas com o soro fisiológico e outros liquidos inibidores da sede, fome – sem nada no estômago, nada haveria a evacuar – e da privação total de sensibilidade da glândula pituitária.
           Seis dias sózinha numa escuridão silênciosa, sem água, sem comida, anestesiada contra todo e qualquer cheiro ou sabor, insensível mesmo ao cheiro e sabor do próprio hálito de uma boca seca.
Afastada do mundo – não que isso importasse pois já há muito tempo que vivia como um fantasma entre os vivos. Por isso duvido que alguém desse por minha falta.
           Os primeiros dois dias foram os piores, tentando encontrar posição naquele chão seco e duro, sem uma parede alguma para eu apoiar as costas. Bom, claro que deveria haver paredes, mas, naquela escuridão imensa, não me apetecia mover-me do sítio onde fora deixada...
           A partir do terceiro dia já não pensava em nada. Os tampões de silicone que tinha nas orelhas abafavam o latejar do meu coração...Ao quarto dia, já não sabia há quanto tempo estava naquele lugar...e adormeci. Dormi o sono de todos aqueles anos de insómnia, enquanto andava moribunda pela vida fora.
           Ao final do sexto dia, os líquidos intravenosos acabaram. Sei disso porque, de repente, deitada sobre o braço sem agulhas, me tornei lucidamente consciente dum cheiro perdido um dia na complexa vastidão da memória: o cheiro da minha própria pele. Sentei-me e levei os meus braços ao nariz, cheirando-me avidamente, deixando-me inebriar por aquele cheiro puro, subtilmente doce e quente ao mesmo tempo...
           Depois daquele primeiro impacto e reencontro com a minha essência primordial, o meu nariz percebeu um outro cheiro – quase imperceptível –, quase que diria que apenas era captado a nível celular, ou através de um sexto sentido qualquer...não conseguia explicar aquela atracção que sentia nessa direcção, aliada à sensação de não estar só.
           Á medida que me aproximava da origem do cheiro, a sensação de estar a ser observada foi sendo substituida por uma forte presença. Eras tu.
           Só pode ter sido o aroma das feromonas que me conduziu até onde estavas. Absorvi o teu cheiro profundamente, sem uma única vez te ter tocado. Nem queria. Era como se estivesse a despertar para o mundo olfactivo.
           Era o começo do sétimo dia. Não sei quanto tempo estive assim a cheirar-te, a cheirar-me, a cheirar-te de novo...Também não interessa, não achas?
           Sei que passado algum tempo me pegaste nas mãos e um arrepio me percorreu pelo corpo todo. Aquele primeiro contacto humano, foi como um despertador que soa fortemente de manhã, para nos acordar para a vida. Levaste as minhas mãos à tua cara e deixaste que os meus dedos tocassem os teus olhos, o nariz, os lábios, a cabeça...Os meus dedos percorreram o teu corpo, explorando cada costela, osso, nódulo, cicatriz e sinal. Era como descobrir um novo mundo, uma nova maneira de percepcionar o mundo através do tacto. O tempo parou naquele momento. Nada mais importava.
           Pouco depois, ou muito tempo depois, não posso precisar, tiraste-me as intravenosas, com uma delicadeza tal, que apenas senti um pequeno ardor à medida que as agulhas deslizavam cá para fora.  Levantaste-me e conduziste-me, em silêncio, para o que só podia ser o exterior do bunker, pois sentia a brisa suave a roçar pela minha pele e a soprar por entre o meu cabelo, o cheiro da terra molhada e uma série de outros cheiros, de plantas e animais, que a pouco e pouco se foram distinguindo uns dos outros, sufocando-me de júbilo olfativo.
           Lentamente as tuas mãos foram subindo pelos meus braços acima, até ao pescoço, acariciando-me as orelhas, antes de lentamente me retirarem o silicone que até então me privara de todo e qualquer som.
           Que assombro! Esse primeiro contacto com os sons foi mais intenso do que alguma vez poderia esperar ou exprimir: a sinfonia das folhas dos ramos oscilando ao vento, o chilrear suave dos pássaros acompanhado do canto alegre das cigarras...Ouvia os sons harmoniosos da grande orquesta duma natureza fértil, desprovida de maestro. O meu espírito estava a ser irresistivelmente arrebatado!
           Por debaixo da venda que me cobriam os olhos, as lágrimas inundávam-me as faces.
           Com a mão no meu cotovelo, conduziste-me para um lugar onde a música se tornava mais refrescante com a queda de águas por entre o que pareciam ser pedras. E sem contar, pegaste-me nas mãos que, com as tuas, se puseram a bailar debaixo dessa água fresca. Que maravilhosa sensação de liberdade!
           Mal acabado o baile, e ainda debaixo de água, senti um objecto redondo e macio entre as mãos que, com a tua ajuda chegou aos meus lábios. O doce aroma que emanava levou-me a mordiscá-lo sem temor Ai, doce néctar suculento, o daquela ameixa! Já não me lembrava da última vez que verdadeiramente apreciara o sabor de uma ameixa, ou de uma qualquer outra fruta. Não há nenhuma maneira poética de descrever o que sentia: era puro prazer, um genuíno orgasmo papilar.
           Se morresse naquele instante, poderia dizer que morreria feliz por finalmente poder dizer que descobrira o que significava viver. Mas a experiência não podia ter acabado ainda, ou meus olhos não continuariam ainda vedados para o mundo.
           A sintonia entre ambos estava perfeitamente alinhada: ainda estava eu a ordenar esses pensamentos, quando senti as tuas mãos, frias ainda, da água, a afagarem-me o cabelo, para depois me retirarem a venda.
           Permaneci uns bons minutos de olhos fechados, sentindo o sopro do vento brando sobre as pálpebras. Temia que ao abri-los, tudo o que experimentara até então se desvanecesse e se revelasse tudo um sonho, uma ilusão, uma mentira...Só quando senti os teus lábios quentes e meigos, primeiro sobre um olho e, depois, sobre o outro, é que me decidi a abri-los lentamente. Estavas alí tão juntinho a mim, que a primeira coisa que vi foram dois sóis cor de mel, olhando-me tão intensamente que com certeza me conseguiam ver a alma...
           Senti-me a desfalecer, mas agarraste-me nos braços e obrigaste-me a desviar o olhar do teu e a olhar em volta. Tanta luz. Tanta cor. Parecia o resultado de uma explosão numa fábrica de tintas, ou da tela dum pintor vanguardista, coberta de esguichos de tintas de todas as cores e tons.
           ...Mas nenhuma dessas maravilhosas cores poderia alguma vez superar a dos teus olhos de mel.
           Caía a noite e ainda estávamos ali, olhando o comovedor pôr do sol que anunciava o final do sétimo dia, e o início de uma nova vida que, desta vez, sim, seria abraçada e respeitada com todo o carinho.
Senti a chegada desse novo começo. Acompanhada? Isso o tempo o dirá. O importante é que estarei acordada para poder apreciar tudo o que puder tocar e observar...saborear todos os cheiros, gostos e cores que se me apresentarem.
           Estarei acordada para nunca mais deixar que tu também passes despercebido.

Voltar a Sentir - 2: As Percentagens do Amor



 
          Seis dias mais um, foram o suficiente para me ensinares a amar a vida, a amar-me a mim mesma...ou a re-aprender a amar-me. Mas depois da euforia do voltar a sentir, caíu sobre mim o assombro da dependência do meu salvador: estava morta para a vida e contigo abracei-a de novo.  Agora, quero-te e não te quero. Quero-te porque me completas. Não te quero pela mesma razão, pois acabas por me fazer sentir menos inteira.
          Não pode ser saudável sentirmo-nos menos do que uma unidade.
          Nunca amei ninguém menos do que 70%, pois isso seria uma pura perda de energia e tempo; nunca amei ninguém mais do que 90%., pois aí acabaría por perder-me na dualidade dessa unidade.
As percentagens, essas, nunca me deixaram mal...
          ...mas, então, se sou um ser a 100%, mas me fazes sentir menos do que Um, quanto de mim terei reservado para a auto-consevação e amor-próprio? Qual seria a percentagem mínima que faria sentido para te amar? 30%? 40%? E a percentagem máxima? Irredutivelmente, um cálculo ainda mais complexo...Alguma percentagem incompleta seria suficiente?
          Por isso me afasto. Não quero ser a meia laranja de ninguém. Tão pouco quero encontrar apenas meia laranja...Quero uma laranja inteirinha e cheiinha de idiosincrasias; uma laranja que também se permita amar-me entre os 70% e os 90%, consoante o seu humor ou o tempo que faz lá fora...Que me ame nem demais, nem de menos.
          Não quero uma laranja que me ame menos de 70%, pois não haverá espaço para a criatividade nem tão pouco quero uma que me ame a 100%, pois aí já não será uma laranja distinta de mim, mas sim uma que passará a viver a minha vida – um sufoco!
          Não te quero, porque me confundes os sentidos. Não te quero porque me fazes perder o Norte. Não te quero, porque sem ti me fazes sentir menos do que uma unidade. Não te quero, porque me arrancas a terra firme debaixo dos pés...
          Não te quero, porque te quero demasiado e por isso, só me resta fugir de ti nesta vida na esperança de que numa outra – ou amanhã – tu também te dês conta que és um ser completo, que também me poderás amar apenas 70% a 90%, dependendo do dia e da disposição com que acordares.
          Quero-te porque me completas. Quero-te porque apesar de me completares, ainda tens espaço para seres tu. Quero-te porque sim.
          Já duas semanas passaram depois daquele banho de vida que me deste. Quinze dias que não te toco, não te oiço, não te vejo; 360 horas privada do teu odor e sabor; 21 600 minutos tentando não pensar em ti, afastando-te do meu pensamento.
          Tenho que fugir para abrir mão de ti, pois só deixando-te livre me poderei libertar completamente.
          Duas laranjas caminhavam de sentidos opostos, quando num colossal choque-crash-bum-bang embateram uma na outra, libertando leves esguichos aromáticos, que se entrelaçaram e se complementaram, qualquer coisa entre 70% a 90%...

Voltar a Sentir 3: Razões para não Amar



         
          Ele sentia-se perdido. Certamente não tinha sido intenção sua alienar uma amiga, uma confidente. Começara por fazer o que fizera com a melhor das intenções: para a salvar de si própria. E as coisas até tinham corrido bem até à altura em que os seus próprios sentimentos deixaram de ser inocentes e o desejo de a amar foi tomando conta de todo o seu ser. Mentira! Pensando bem, o descambar da relação começou bem depois dele sentir que aquela amizade intensa poderia traduzir-se em amor.
            Gostara de sentir o que sentira em relação a ela: um sentimento amoroso que lhe dava um nó no estômago quando sentia o ar quente da sua respiração perto da cara, ou quando o calor do seu corpo se aproximava do seu.

          A ligação, essa, começou a deteriorar-se precisamente na altura em que se apercebera que esse amor poderia ser recíproco...e se Arantza o amava era possível que não fosse tão perfeita como anteriormente a tinha imaginado. Uma mulher perfeita nunca se teria apaixonado por ele...ser indigno de tal amor! Apenas uma mulher com os mesmos defeitos que ele – e não uma cujas qualidades almejava ou que por vezes parecia reconhecer em si mesmo – poderia querer entregar-se a ele de corpo e alma.
          Sim, foi a partir dessa constatação que se verificou a queda gradual do anjo do seu pedestal.

          Arantza desconhecia as razões verdadeiras desse distanciamento incompreensível – e quase ofensivo – por parte do seu 'salvador'. Dôr, raiva, sentimento de abandono...porque tem que se sentir sempre assim tão mal?
          Porque é que os olhos bem abertos, parecem ver menos do que vendados?
          Desespero d'alma. Desejo de calma. Deturpação d' amar...
         Talvez pudesse ter reconhecido essa crescente insegurança da parte dele se não estivesse demasiado ocupada a tentar descobrir em si própria a causa desse distanciamento: quanto mais defeitos encontrava no seu próprio ser, mais raiva acumulava contra o seu homólogo nessa relação complexa e entrelaçada.
          Amor? Qual quê! Se ele a amasse realmente, por certo a teria aceite tal e qual como era – defeitos e qualidades, sem julgamento nem distinção.

          Assim, um novo começo se desenha nas vidas destes dois seres, em tempos unidos pela amizade mas depressa separados pela incapacidade de amar.
          Dôr, raiva, sentimento de abandono...porque tem que se sentir sempre assim tão mal? Porque é que os olhos bem abertos, parecem ver menos do que vendados?

          Um erro de cálculo cítrico: o que à primeira vista pareçia ser uma atracção de 70% a 90%, depressa revelou, nada mais nada menos, do que uma proporção (nunca em síntonia) de uns 30% a 50%. Realmente insuficiente numa relação. Naquela relação.
          Auto-depreciação. Falta de comunicação. Os ingredientes certos para a in-sustentabilidade de uma relação.

          Mesmo em tempos de tempestade emocional, a despensa tem que ser abastecida. Rotinas mundanas que fazem sentir que o nosso mundo não se derrubou por completo. Apenas destroços, algum dia devolvidos ao seu anterior esplendor.
          Estava na secção da fruta. Optaria pela biológica ou pela mais visçosa? Escolha mais do que óbvia: as aparências iludem, sabia isso muito bem.
          – Posso ajudá-la, minha senhora? – perguntou o empregado num tom um tanto ou quanto paternalista.
          – Obrigada, só quero umas laranjas. Eu escolho.
          – Como estava aí parada há mais de cinco minutos...julguei...
          – Cinco minutos? – Arantza parecia confusa, mas recompondo-se acrescentou – Deixe, eu própria escolho as laranjas...
          Isso! Já sabia o que destoava naquele cesto de laranjas suculentas...no meio delas, um pouco maior, pálida e rechonchuda, encontrava-se uma toranja. Destova, mas não parecia deslocada.
          A mente de Arantza fervilhava de tão iluminada que parecia estar. Tinha que sair dali.
          Deixou o cesto onde estava, pegou numa laranja e na toranja e quase que voou para a caixa. Pagou...nem quis receber o troco. De tão rápida que se movia, os seus pés quase que nem tocavam o chão...foi nesse estado de euforia que flutuou até casa do seu 'salvador'.
          Entrou, sem esperar ser convidada...
          – Já sei onde errámos. Sou como esta laranja. Tu esta toranja... – balbuciou ela agitada – Eu pensava que tinha encontrado uma outra laranja que me complementava e esperava que te comportasses como tal, mas evidentemente não és uma laranja e não podias ser o que eu queria que fosses... E se pensares bem, se calhar tu pensavas o mesmo de mim: que eu era uma toranja, o que não sou...Não, escuta, deixa-me terminar...Estava no supermercado a olhar para o cesto de laranjas e de repente...vi esta toranja amarela pálida no meio das laranjas cor de laranja...destoava, claro, mas não estava deslocada, foi o que eu pensei, e nós...
          Não teve tempo de terminar o que ía a dizer, pois de repente, como uma forte chicotada visual, viu uma outra toranja toda aperaltada sentada no sofá, no mesmo sítio onde ela se costumava sentar.
          – Quem é essa to...essa mulher?
 
- COPYRIGHT/Registado no IGAC

Se gostou de ler esta história por favor clique g+1 e/ou deixe um comentário.

Monday, 22 November 2010

O Porche

Dedico este conto
a alguém muito especial,
que um dia prometeu:
«...tentarei que nunca te pareça que te tiro o rebuçado.»



           Gosto de entrar em lojas de velharias, daquelas em que mal podemos passar pelos corredores estreitos e atafulhados, sem deixar cair alguma coisa. Nunca compro nada, pois gosto do novo, sem história própria – talvez isso se deva ao desejo de que, com o passar do tempo, essas coisas a cheirarem a novo fiquem impregnadas com a minha história.
           Então porquê a atracção pelas lojas de velharias? Boa pergunta. O que falta é uma resposta à altura. Para ser sincera, não faço a mínima ideia porque entro nessas lojas com cheiro a mofo e ar coberto de pó que só me faz espirar.
           Entro à procura de algo que sinto que devo encontrar. O que é, isso já não sei. Sinto que numa dessas lojas escuras e pouco arejadas, repletas de quinquilharia até ao tecto, há algo que espera ser encontrado.
vvv
           Foi num Domingo chuvoso que o encontrei. Tinha ido dar um volta pela parte velha da cidade, para quebrar a monotonia e fugir ao estado de espírito depressivo que ameaçava tomar conta de mim. Munida de umas galochas, feias mas prácticas, um chapéu de cera à pescador, e uma gabardine verde, lá fui eu de passeio, pelas ruas desertas das três da tarde. Só mesmo uma louca para sair naquele tempo ofensivo...
           A loja estava aberta, mas ainda mais cheia com os pedaços e pedacitos de coisas sem par, que costumavam estar no passeio para chamar a atenção dos possíveis clientes, mas que, por motivos óbvios, hoje não haviam sido expostos na rua.
           Não havia ninguém na loja; nem mesmo o dono estava à vista.
           – Boa tarde...vou só dar uma vista de olhos. – disse, mas apenas ouvi o eco da minha voz em resposta.
           Devagarinho, para não derrubar nada, lá fui avançando até ao fundo, examinando cuidadosamente o caos organizado das estantes. Como sempre, buscava, nada em particular.
           Foi num dos cantos que me vi reflectida num enorme espelho antigo, com uma moldura trabalhada, com a tinta doirada a lascar. Provavelmente, teria pertencido a uma boutique chique, mais preocupada em vender do que encontrar o vestido certo para as suas clientes, pois seguramente destorcia, lisonjeiramente, a figura do observador. Apesar da capa de chuva pouco favorecedora, o que via no espelho era uma figura discretamente mais alta e delgada. Se não fosse pelo tamanho, até que consideraria adquiri-lo, para me espevitar o ego pelas manhãs...
           Nesse momento os meus olhos fixam-se num pequeno objecto branco e vermelho, reflectido no espelho, entre livros antigos e vasos Ming de imitação. Voltei-me e dirigi-me para a estante que cobria a parede de uma ponta à outra: Lá estava ele, um porche miniatura, coberto de pó. Soprei e passei a manga da gabardine ainda húmida sobre ele – o que me custou um novo ataque de espirros. Mas valeu a pena, pois a atracção tornou-se ainda mais poderosa. Que preciosidade! No banco de trás havia partituras de música, o que me pareceu serem manuscritos de alguns livros, um copo de cerveja com um rebordo a ouro, requintado, um alfinete de fraldas de bebé, uma bola de futebol, e esquecida no chão, uma bolsa de serapilheira atada em forma de ananás...
           Não sei porque me fascinava tanto aquele carro em miniatura.
           Sou daquelas pseudo-feministas que nunca se deram ao trabalho de aprender a mudar um pneu furado, nunca possuiram um cabo para ligar a bateria (tendo, por isso que activar o seguro sempre que um pneu está em baixo ou a bateria falha), e que se enerva quando a luz da gasolina se acende...Outra vez?!? Porque será que o carro não anda a ar?
vvv
           Tinha que ser meu...Por isso, voltei à bancada coberta com um montão de coisas dispostas umas sobre as outras e que também servia de caixa, e chamei de novo:
           – Se faz favor...Está alguém? Queria pagar uma coisa...Oi! Está alguém?
           Já estava a pensar se deixaria um bilhete a dizer que havia levado o carro e que passaria no dia seguinte a pagá-lo quando, de lado nenhum, apareceu uma mulher com ar de ser muito velha, mas com um brilho radiante nos olhos.
           – Estou aqui, minha filha...Ah, vejo que encontraste o carro de rali. Faz tempos que o tenho...possivelmente há quase três décadas, e ninguém se interessou por ele. Deve ser para o seu filhote...?
           – Não tenho filhos. – retorqui, um pouco arisca. Porque será que toda a gente partia do princípio que já deveria ter filhos?
           – Não? – a velha parecia surpreendida. – Com a sua idade já tinha tido seis.
           – Pois, os tempos eram outros...Quanto quer pelo carro?
           – Mas se não é para o seu filho...
           – Já lhe disse que não tenho filhos!
           – ...porque o quer levar?
           A minha paciência estava por um fio, mas vendo o rosto da mulher fechar-se um pouco e receando que acabasse por dizer que o carro não estava à venda, mudei o tom e acrescentei:
           – É para mim. Há anos que entro neste tipo de lojas à procura de algo...nunca soube o que buscava, até hoje. Quando vi o porche empoeirado, reflectido no espelho lá do fundo, soube que era isto que desejava. – e depois um pouco mais envergonhada pela confidência, perguntei – Faz sentido?
           – Sim, minha filha, faz todo o sentido. Um dia descobrirás porquê; nem sempre as coisas fazem sentido no momento em que acontecem, só depois em retrospectiva...Leve-o. São cinco euros.
           – Tem a certeza? – parecia-me pouco.
           – Nem lhe pediria nada por ele, mas creio que não aceitasse levá-lo sem pagar.
           – Tem razão. Obrigada.
vvv
           Essa paixão pela miniatura não tinha justificação possível. Onde a guardarei? Seguramente, nalgum lugar de destaque, onde seria a última coisa a ver ao deitar e a primeira ao levantar...Onde mais, senão na mesinha de cabeceira! Sim, ali ficaria até pelo menos a curiosidade, quase obsessiva, da sua aparente importância fosse satisfeita.
           O carro foi, naturalmente, excrutinado por todos os ângulos e mais duas características foram descobertas: primeiro, todos os objectos, à excepção da bolsa de serapilheira que rolava de um lado para o outro, acompanhando os movimentos do carro, estavam bem presos – com cola, talvez – ao interior do carro. A segunda curiosidade que havia passado despercebida no início, foi a chave na ignição, como se esperasse que alguém a rodasse e pussesse o carro em andamento. Mas para onde iriam? Isso até seria divertido saber-se...
           No entanto, já são horas de dormir. Estico o braço para carregar no interruptor do candeeiro e, para meu espanto, oiço-me dizer 'Até amanhã!', por debaixo da respiração sonolenta.
vvv
           – Deve ter-se enganado na loja, menina. Ontem foi Domingo e nunca abrimos aos Domingos. Estivemos fechados o dia todo e...não, não trabalha aqui nenhuma senhora de idade. Este é o meu negócio e trabalho sozinho.
           – Mas olhe bem para esta miniatura, não a tinha aqui na loja? Estava na prateleira à frente daquele espelho enorme que tem lá no fundo...
           O dono da loja das quinquilharias já demonstrava sinais de estar a perder a paciência.
           – Minha senhora, como lhe disse há pouco, não comprou esse carro aqui...não há nenhuma idosa a trabalhar neste estabelecimento...nem nenhum espelho no fundo da loja! Se quiser, faça o obséquio de ir confirmar por si mesma.
           – Sim, acho que o farei, se não se importa.
           E lá fui eu até ao fundo, espantada por a loja realmente parecer diferente e ainda mais surpreendida ao descobrir que o espelho doirado não fazia parte do recheio.
           Com um muito obrigada envergonhado por ter passado por louca, saí da loja um tanto ou quanto confusa e desorientada.
           Ao chegar a casa dirigi-me imediatamente ao quarto, peguei nas pinças mais fininhas que encontrei e, com um cuidado redobrado, abri a única porta do carro que parecia abrir – a do condutor – e concentrei-me em agarrar a pequena bolsa de serapilheira em forma de ananás.
           – Nem penses que vou desistir assim tão facilmente – bolas, lá estava eu a falar sozinha. Qualquer dia tinha que me internar a mim mesma.
           Bastou um pouco mais de esforço e agilidade para que o ananás estivesse cá fora.
           Cuidadosamente, abro a bolsita e espreito para dentro. Que desilusão! Parecia estar vazia...Já quase havia decidido devolver a bolsa ao seu lugar, quando vejo um rolito de papel cor de serapilheira – por isso não o tinha visto logo! De novo, recorro à pinça com extremo cuidado, não fosse o papel rasgar-se...
           As minhas mãos suadas tremiam. Definitivamente não podia tocar no pedaço de papel sem antes lavar as mãos...
           Com jeitinho e novamente de pinça em punho, desenrolo-o e qual não é o meu espanto quando vejo aparecem paralvras minúsculas em forma de frase.
           Onde está a malvada lupa? Nunca foi utilizada – uma das tais coisas que não necessitamos mas que compramos porque estão a um preço a que não resistimos! Só que agora, que é precisa...não aparece!
           Quase uma hora perdida à procura da dita cuja, até que finalmente aparece – como que por gozo – num dos primeiros sítios onde havia procurado. Grrrrrrrrrrrr! É sempre assim. Parece que os objectos têm vida própria e que, para quebrar a monotonia, se divertem a jogar ao esconde-esconde.
           Agora, de lupa na mão, dirijo-me à escrivaninha do quarto onde havia deixado a bolsa de serapilheira e o pedaço minúsculo de papel onde se lia...
          
Se te encontras a ler esta mensagem, é porque, por alguma razão, perdeste o rumo e decidiste abandonar o que foste e o que te fez aquilo que és hoje. Tu és o porche de corridas, o pai, o compositor, o escritor, o empresário, o dirigente de clube desportivo, e tudo o mais que fizeste. Não precisas de regressar ao carro se não te apetece, pois tu és o carro. És o carro e tudo o que se encontra dentro dele...mas não és apenas isso: usa o que já és para descobrires novos talentos...e verás que podes ser muito mais do que isso.

Que mensagem linda. Mas para quem seria?
vvv
           No Domingo seguinte, chuvoso, para não variar(!), lá fui eu decidida a falar de novo com o dono da loja de velharias, mas a porta estava fechada.
           – Ai, não, isso é que não! Não fiz todo este caminho para nada.
           E com nova assertividade bati novamente na porta.
           Pum-pum-pum. Nada. Outra vez. Pum-pum-pum. E mais uma vez. Pum-pum-pum.
           Obstinada, teria continuado a tarde toda, se não fosse a porta abrir-se...
           Mesmo à minha frente, a velhota dos olhos brilhantes surge com um sorriso acolhedor.
           – Entre, minha filha. Estava à sua espera.
           – Mas como...?
           – Tire essa gabardine e siga-me. Vamos beber um chazinho quente enquanto falamos. Temos muito que conversar.
           Sem contestar, lá segui a velhota, pasmada por ver que a loja estava de novo diferente, igual à primeira vez que lá tinha estado. Passámos pelos fundos – lá estava o espelho majestoso – e entrámos numa cozinha pequena e acolhedora, toda em tons de azul marinho e branco, fazendo lembrar o mar.
           – Então, diga-me lá, o que a trás por cá?
           Contei a história sobre a loja que era e não era, do porche branco e vermelho, da nota dentro do saco de serapilheira em forma de ananás, da sensação de que tudo aquilo não me era destinado mas sim a outro alguém, que provavelmente estava à espera de tudo aquilo.
           – És muito perspicaz...No início, quase que duvidei que seria capaz de levar a cabo esta missão.
           – Que missão? Não entendo mesmo nada do que me está a dizer.
           – Acredita em Anjos da Guarda, minha querida?
           – Sou Agnóstica...
           – Logo vi. Talvez por isso sejas a pessoa ideal para manter uma mente aberta e desinteressada....Bom – continuou a velhota –, digamos que sou o guia espiritual de alguém que, mais do que nunca, precisa de ser iluminado. Neste momento parece ter-se desconectado com a sua verdadeira essência. É importante que o encontre e lhe transmita a mensagem que encontrou...
           – Mas, como? Se não sei quem ele é?
           – Isso, minha filha, terá que descobrir por si mesma. Aos guias só nos é permitido dar um empurrãozinho em direcção à auto-descoberta; o livre arbítrio é que comanda os humanos. Por isso terá que ser você a encontrá-lo e a entregar-lhe a mensagem...Mas já se faz tarde. Adeus...e obrigada pela sua ajuda.
           E sem saber como, lá estava eu de novo na rua, com a porta fechada como se nunca tivesse sido aberta. Será que tudo aquilo havia acontecido mesmo ou seria apenas uma mera partida delusional da minha mente. Será que para além de falar sozinha também já começava a delirar?
           O carro que segurava na mão lembrou-me que a situação era bem real. Mas como iria descobrir o dono da mensagem?

           Busca-se dono de carro de rali, branco e vermelho, pai, compositor, escritor, empresário, envolvido no desporto, que se perdeu no bulício da vida. Mensagem importante. Favor contactar caixa postal …
          
           Parece suficientemente bom. Agora basta publicar no jornal, todos os fins de semana, cruzar os dedos, e esperar que a pessoa a quem é dirigido se reconheça no pequeno anúncio e me contacte.
           Também será bom surfar a Net para ver se se encontra algo relacionado com ralis e com a matrícula, um pouco sui generis, que aparece no porche: X0X0X0 – abraços e beijos? Sem esquecer o autocolante engraçado colado no vidro de trás:

Podes ultrapassar-me, pois estou com fome de viver!

vvv
           Foi mais fácil do que se podia imaginar. De facto a Net é um mundo onde se encontra de tudo. Consegui o nome do condutor, descobri que vive numa terra pequena onde todo o mundo conhece toda a gente. Não será, com certeza, difícil de dar com ele. O anúncio, esse, deixo-o mais este fim-de-semana e no próximo e, quer tenha sido contactada quer não, vou até à Vila do Monte...

           – Boa tarde. É o Sr. Luíz, o condutor de ralis?
           – Não sou condutor de ralis.
           – Mas já foi, não?
           – Miúda, deixe-se de rodeios e diga lá o que deseja.
           – É assim, tenho algo para o Sr. Luíz e só para ele, mais ninguém. Algo que talvez o possa ajudar.
           – Eu sou Luíz...Mas, e você? Quem é?
           – Está aqui o meu cartão e o carro miniatura que encontrei numa loja de velharias com uma mensagem para si. Contacte-me se precisar de alguma informação, não que lhe possa dizer muito mais do que já lhe disse. Bom, não lhe tomo mais o seu tempo.
           – Espere, não se vá já embora.
           Muito sucintamente e um pouco constrangida, lá lhe contei como o carro tinha vindo parar às minhas mãos, como tinha descoberto a mensagem no saco de serapilheira, o anúncio do jornal e como finalmente havia descoberto onde morava...Claro que, para não ser tomada por louca, omiti a parte da velhota dos olhos brilhantes e da loja que nem sempre era o que parecia.
           – Não quero nada de si, apenas quero entregar-lhe o carro e a mensagem que julgo pertencer-lhe. A partir daí é consigo, pode guardá-lo, oferecê-lo a alguém, o que lhe apetecer...Mas – acrescentei – se de facto a mensagem fizer algum sentido para si, não posso negar que sinto certa curiosidade em saber como isso ajuda...nem que leve três meses ou três anos a contactar-me, pois a situação é, de facto, única.
vvv
           Ano e meio passado desde que havia recebido o 'presente', e que estranhamente o havia feito reencontrar o caminho, Luíz encontrava-se sentado à secretária, rodando entre os dedos o cartão de visita que aquela estranha um dia lhe havia dado.
           Alguma vez se decidiria a confiar numa desconhecida? Deveria telefonar-lhe? Ir vê-la pessoalmente? Ou simplesmente rasgar o cartão? Eis o dilema com que se debatia.

           No mesmo dia, à mesma hora, exactamente um ano e meio depois de ter visitado o Sr. Luíz, Paulina também estava perdida em pensamentos. Perguntava-se como tudo teria evoluído para aquele homem que apenas vira uma vez. Se a mensagem havia feito algum sentido para ele, se havia actuado sobre ela ou se a havia deitado fora...
           Por mais curiosa que estivesse, não tinha mais remédio do que respeitar a sua escolha. Contudo, no fundo, no fundo, desejava muito ser contactada e tentar dar um sentido a tudo o que lhe havia acontecido...lhes tinha acontecido.

- COPYRIGHT/Registado no IGAC


Se gostou de ler esta história por favor clique g+1 e/ou deixe um comentário.

Sunday, 21 November 2010

Cada um na Sua Cama

           – Então Patajeca, já sabes quem chega hoje? – pergunta o Avô Asa-Para-Toda-A-Obra, enquanto muda as pilhas do piano portátil da neta.
           – Claro, a Mamã já me disse. Hoje chega a Tia Pataluxa, que anda sempre de avião.
           – Ha, ha...é essa mesma. Só que hoje não vem de avião.
           – Não?
           – Não, a Avó Patachoca foi ao Norte buscá-la...
           – Qual Norte, Avô?
           – Ao Norte de Portugal, que é onde a tua tia está agora a trabalhar. Por acaso até se pode ir lá de avião, mas como não é assim tão longe, pode-se ir perfeitamente de combóio ou de carro.
           – E a Avó Patachoca foi lá de carro?
           – Não, Patajeca, ela foi de combóio, e agora voltam as duas no carro da tua Tia.
           – Ai é? Então porquê?
           – Então a tua mãe não te contou essa parte, Patajeca patareca?
           O Avô Asa-Para-Toda-A-Obra gostava de arreliar a neta e ela a ele. A bem da verdade, andavam quase sempre às turras, mas divertiam-se assim.
           – Grrrrrrrrr! – desde que entrara para a escolinha, Patajeca havia aprendido muitas coisas novas e interessantes, outras um tanto ou quanto tontas – embora engraçadas – como o rosnar para fingir que já não estava a gostar da brincadeira...Vai-se lá entender o que se passa na cabeça de uma patinha em crescimento.
           – ...Se calhar até contou mas eu já não me lembro. – acrescentou entre bico.
           – Ha, ha... – riu-se o Avô Asa-Para-Toda-A-Obra divertido – Vêm no carro da tua tia porque ela partiu a asa esquerda e não pode ficar lá no Norte sózinha. E como está com a asa ao peito, também não pode ser ela a conduzir. Por isso a tua Avó foi lá buscá-la.
           – Hummm! – fez Patajeca, franzindo o nariz – Que complicação.
           – Não é nada complicado. Eu explico. É assim...
           Mas antes que pudesse continuar com a explicação, ouviram buzinar lá fora. A Avó Patachoca e a Tia Pataluxa acabavam de chegar.
           Uma curiosidade da família da Avó Patachoca é que, de cada vez que se vai às compras ou se tem o carro cheio de malas, caixas e saquitos, buzinam e dão tudo pela janela da cozinha, que embora não seja muito baixa, dá perfeitamente para passar as coisas para dentro de casa. É mais práctico e poupa-se tempo...
           – Olá! Então, fizeram boa viagem? – pergunta o Avô Asa-Para-Toda-A-Obra, enquanto recebe uma das malas.
           – Sim, correu tudo bem. Não apanhámos muito movimento e só choveu um pouco quando saímos de lá. – responde a Avó Patachoca.
           – Adivinha quem passou cá a tarde e vai jantar connosco?
           Mas a Patajeca estava tão excitada por ver a Avó que nem a deixou adivinhar.
           – Sou eu Vó, sou eu! A Mamã também vem jantar.
l
           Depois dos abraços e beijinhos – claro que a Tia Pataluxa só pôde dar e receber meios abraços por causa da asita partida – foram para o quarto que antes havia pertencido à Pataluxa e à Patisoca e que agora pertencia à Patanita, a irmã mais nova.
           A Madrinha Patanita, que entretanto tinha chegado do trabalho, olhou para a irmã e disse:
           – Olha, a Patajeca dormiu na tua cama apenas uma noite, por isso não mudámos os lençóis. Não te importas, pois não?
           – What? Did you sleep in my bed, Patajeca?1
           Lá estava a Tia Pataluxa a falar Inglês. Sempre falou com a Patajeca em Inglês, aliás, desde que nascera. A Tia era professora de inglês e dizia que, no futuro, todas as crianças falariam a sua língua materna mais o Inglês, para além de saberem usar computadores como profissionais. Por isso insistia em falar-lhe só naquela língua estrangeira. E, apesar de não se verem assim tantas vezes, a Patajeca já entendia muita coisa! Também não era de estranhar pois, para além da prática ao ter que se esforçar por entender a Tia, a Patajeca era uma patinha inteligente e também já tinha aulas de Inglês na escolinha, com a Miss Pataresa.
           Por essas razões todas, a Patajeca olhou para a tia com um sorriso meio traquina meio envergonhado, e respondeu:
           – Yes.
           – Oh, you did, did you? And did Mommy Patisoca sleep with you in my bed, too?
           – No! - respondeu Patajeca, virando-se agora para a avó a pedir ajuda. – Diz-lhe que só durmo com a Mamã quando estou em casa.
           – Pataluxa, Patajeca says that she only sleeps with her mommy at home. – traduziu a Avó Patachoca.
           Depois, virando-se para a neta, pergunta com a cara um pouco mais séria:
           – Então, Paixão-do-Meu-Coração, em casa não tens a tua própria caminha, o teu próprio quarto?
           – Oh, Vó, claro que tenho! Já o viste muitas vezes...
           – Sim, mas agora estás a dizer que dormes com a tua mãe...
           – ...Só quando o papá trabalha de noite. Assim dormimos as duas mais quentinhas.
           – Mas, Patajeca, o Papá Patunes trabalha muitas vezes de noite...e tu já és crescidinha, já andas na escolinha e tudo. Não gostas do teu quarto, é isso?
           – Nãaaao! – disse Patajeca, deitando as mãos à cabeça – um gesto de desespero muito típico nela. Será que a Avó já não se lembrava de como era o quarto dela?
           – Já estiveste tantas vezes no meu quarto...sabes bem que é muito bonito, com muitos brinquedos e uma cama super confortável!
           – Lembro-me bem de como é o teu quartito...o que não entendo é porque uma patinha da tua idade ainda dorme na cama da mãe.
           – Oh!
           – Não é 'Oh!', Patajeca...estou a falar muito a sério. Qualquer dias passas para a escola dos meninos crescidos e não podes, ainda, estar a dormir com a Mamã. Assim vão dizer que és uma bébé.
           Ao ouvir isso, a Patajeca inclinou a cabeça um pouco para a direita e juntou as sobrancelhas como se estivesse a pensar bem no que lhe estavam a dizer. Até que fazia sentido...
           – Além do mais, – acrescentou a Avó Patachoca – o teu quarto tem que crescer contigo, para ser sempre o teu cantinho especial, um lugar onde te sintas bem a estudar, a ler, a brincar...e para poderes montar lá a tua tenda para quando as tuas primas te vierem visitar e poderem brincar às casinhas.
           Patajeca continuava a ouvir com atençao, por isso a Avó Patachoca continuou com o seu discurso.
           – ...À medida que fores crescendo, vais ter que comprar uma cama maior para caberes nela, mas o teu quarto será sempre especial.
           – Pode ser...Mas não me posso mudar para lá já-já, senão, a Mamã fica triste.
           – Senta-te aqui no meu colo, minha patinha linda...Fazemos assim, hoje quando a Mamã chegar para o jantar, perguntamos-lhe o que ela pensa sobre tudo isto. Concordas?
           – Hummmm...OK, concordo. – disse Patajeca hesitando um pouco.
l
           À hora de jantar e depois da Tia Pataluxa contar mais uma vez como tinha escorregado no chão da cozinha, voado sem controlo até ao corredor para finalmente embater na porta do armário, deslocando assim o ombro para debaixo da asa onde se encontra o sovaco, a conversa mudou para o tema de quartos e camas.
           – Patisoca, – começou a Avó Patachoca – hoje quando cheguei do Norte tive uma conversa surpreendente com a tua Patajeca.
           – Ai, sim? Falaram sobre o quê?
           – Sobre ela ainda dormir na tua cama. Claro que eu estranhei que uma menina tão grande ainda dormisse com a mãe, e até pensei que fosse por ela não gostar do quarto...
           – ...Mas eu disse logo que não era isso. – interrompeu a Patajeca. – O meu quarto é muito bonito.
           – Yes, that's true...So, my Gorgeous, tell Mommy why you still sleep with her.
           Cada vez que a Tia Pataluxa falava, Patajeca tinha que concentrar-se um pouco mais. Mas apesar de não entender todas as palavras, conseguia perceber o que a Tia estava a dizer- bem, mais ou menos...
           – Eu disse, – continuou Patajeca, olhando a Tia-quase-estrangeira de soslaio – que era porque dormíamos mais quentinhas juntas...e porque a Mamã ficaria triste por dormir sózinha.
           Era o momento da verdade, e Patisoca viu que tinha que aproveitar esse momento para ajudar a filha a dar mais um passo para se tornar um pouco mais crescida e independente.
           – Patajeca, é claro que gosto muito de dormir contigo e tu serás sempre a minha bébé apesar de estares a crescer tão depressa. Sabes, na realidade já há uns tempos que andava a pensar que devias mudar para o teu quartinho, que é super confortável e está tão bem decorado; tens todas as tuas bonecas amigas a dormirem sózinhas - acho que elas ficariam muito feliz por te ter lá com elas...É verdade que és a minha bébé, mas também sabes que já és grandinha: já andas na escolinha e tudo!
           – É verdade. – disse a Patajeca – Mas, não ficas triste se eu me mudar para o quarto do lado?
           – Claro que não. Vais continuar à mesma tão pertinho de mim e do Papá Patunes, que nenhuma de nós vai sentir a diferênça.
           – És capaz de ter razão, Mamã.
           – Além do que, o beijinho e o abraço ao deitar e ao acordar, esses vão estar sempre aí. Boa?
           – Boa!
           – Então, quer dizer que te mudas hoje para o teu quartinho? Olha que a cama já está feita há uns tempos. Está à espera que voltes para lá definitivamente.
           Patajeca demonstra um pequeno momento de hesitação mas, logo de seguida, diz com uma voz mais confiante:
           – Pode ser...Hoje mudo-me para o quarto do lado. Para o meu quarto.
           E, de repente, à mesa de jantar, já se estava a falar de outras coisas: do tempo chuvoso, dos amigos da escola da Patajeca, de futebol, de livros, de política...enfim, de tudo e mais alguma coisa.
l
           No dia seguinte, estava ainda a Avó Patachoca a dormir por causa do cansaço da viagem do dia anterior, quando o telefone toca. Quem atende é o Avô Asa-Para-Toda-A-Obra; do outro lado da linha, encontra-se a Patajeca, toda excitada a querer falar com a sua avó.
           – Porque não me dizes o que queres da vóvó, que eu depois dou-lhe o recado? É que ela está muito cansada da viagem que fez ontem, do Norte até Lisboa...
           – Não, não pode ser. Preciso muito, muito falar com a vóvó antes de ir para a escolinha. É um assunto muuuuuuuiiiiito importante.
           E como o Avô Asa-Para-Toda-A-Obra quase nunca consegue dizer que não à neta, lá vai acordar a mulher.
           – Sim, Patajeca – diz a Avó Patachoca com um quack um pouco rouco de sono. – que me queres dizer que é tão urgente?
           – Sabes Vó, ontem dormi sózinha na minha cama – bem, sózinha, sózinha não...dormi com uma das minhas bonecas...e dormi muito bem. Logo à noite vou escrever isso no meu livro da positividade!
           – Fazes muito bem, minha lindoquinha. E, parabéns! Estou muito orgulhosa de ti.
           – Também eu. Bom, eu também estou orgulhosa de mim...
           Como diz a Avó Patachoca, 'cada um na sua cama!'

- COPYRIGHT/Registado no IGAC


Se gostou de ler esta história por favor clique g+1 e/ou deixe um comentário.

Saturday, 13 November 2010

A Call for ACTION

YES, this is a call for action, your action
Do let me know your opinion by dropping in a comment.

All my texts are copyright and I am seriously thinking about having them published.  Suppose that's the next step...However, it would be nice to get some feedback beforehand. Your comments would certainly be invaluable!

Thank you very much for your interest in my blog.


«Art is the imposing of a pattern on experience, and our aesthetic enjoyment is recognition of the pattern.» -  Alfred North Whitehead

Rings of Saturn

Strong wind
why do you blow me deep into the forest night?
strong wind
don't abandon me –
I'm alone and scared
in this forest
blind

Why drive me to this cave?
Why lead me to this binding darkness?
…...................................................Why...?

One thing is clear:
you've got me where you want me
and there's no going back

Cold, damp walls
closing in on the way down
I can hardly breathe,
as I sail further down

Down and down I go
alone
my heartbeat –
out of control

Ba-bump, ba-bump, ba-bump
my heart -
about to shut down -
is rescued by an eagle
diving down
...or is it that I've become one?

Up and up I go
up above so high –
so high...
I can almost touch the sky!

With other eagles
I dance and dance around till
they and I
become
One

There's no Time:
first an eagle,
then a sparrow
and by the time the ground is nigh,
collecting pollen –
a butterfly –
is what I have become

Then an ant,
with a heavy burden on my back,
to the anthill do I go
...and down, and down to the deepest depths again I go

To my surprise
no more claustrophobic walls
do I find

I am free
and up the hill I can climb
with hope – although
still alone

...a moving bridge awaits me now
to cross over to the other side

See the house of sugar and spice?
Surely, that's where I must go.
This time, not down but up
a spiralled tower
I must go
There,
on the floor,
a heavy, leather book lies.

tic-tic-tic
the sparrow hits on the window so
tic-tic-tic
open the book, is that so?

But, oh!
the page is blank
and the next,
and the next as well
my head's throbbing hard,
my heart's pounding
out of control – but
healing hands
soon come to calm my
soul
and solace sleep takes
control

On awakening,
I find myself reflected in a shiny mirror
in a naked foetus curl
Mirror, Mirror on the wall...
not a mirror but a door?

Down the aisle I float
to be married
by the same healing hands...

Hands tied with a pure white cloth,
my prince and I
are at once
twirled around in it
as one

Swirling round and round -
again alone -
to the mountain top
I go

'I'm tired...', I cry out loud.
...The man with the healing hands
responds,
'...but you've just begun!'

So, there I go again
diving down the mountain top
no bungee jumping rope this time
just the dark blue sea below:

A dolphin now...
see how fast I can go
see how deep I can dive
see how high I can fly

See how no one can stop me now!



- COPYRIGHT/Registado no IGAC

O Colibrí e a Flor

Esta é a história de uma bromélia do mato, de pétalas carnudas vermelho-alaranjadas, que um dia se apaixonou por um colibrí colorido.
O primeiro encontro deu-se numa tarde de intenso calor, por volta da hora da sesta da maioria dos animais e pássaros. Como de costume, os colibris eram dos poucos animais que se podiam ver a bailar pelas redondezas, pois são resistentes aos abrazadores e soporíferos raios solares, a seguir ao meio-dia. Bromélia-Flor estava quase a desesperar com o calor quando um belo colibri de cores azul-metalizadas, se aproximou dela, batendo as asas a uma incrível velocidade de 80 vezes por segundo, refrescando-a. Ai, que bem que sabia aquela brisa!
– Olá, jeitosa! Posso molhar o bico nessa tua base robusta e apetitosa?
– Pois, de subtil, não pareces ter nada...vais logo ao ataque. – disse Bomélia-Flor, um pouco chocada com o atrevimento do colibrí.
– Que queres dizer com isso? – respondeu o colibri um pouco consternado, pois não estava à espera que a bromélia sequer lhe respondesse. – É o que eu faço, sorvo o vosso mel e em troca ajudo-vos na polinização.
– Claro que sei disso, mas podias ser um pouco menos grosseiro. Primeiro chamas-me gorda e apetitosa – o que é tudo menos romântico – , e ainda por cima falas em 'sorver' o meu néctar...como se fosses um alarve!
– Que querias que eu dissesse? Apenas me lembro de uma outra palavra que poderia ter utilizado, e essa é que estaria no limite da ordinarice...
– Não, não precisas de me dizer qual é...prefiro ficar no mundo da ignorância. Cá por mim, preferia que me tivesses pedido um beijo...
– És mesmo um tratado. Como te chamas, oh florzinha do mato, com alma de poeta?
– Sou Bromélia-Flor...
– Bromélia-Flor, lindo nome. Eu sou o colibri Alor, encantado de a conhecer...Pensando bem, até acho que vou adoptar esse termo. Serei o Don-Juan dos colibris! O colibri que beija mais de mil flores por dia...
– Mais de mil flores? Que apetite voraz – quase que diria, depravado!
– Hey! Depravado, não...Como crês que conseguiria as 6660 calorias mínimas diárias para a minha sobrevivência?
– 6660 calorias mínimas diárias? – repetiu Bromélia-Flor, um pouco incrédula. Mas não és assim tão grande como isso e não deves pesar mais do que uns meros 3 gramas. Deves estar a tentar impressionar-me...
– 2,5 gramas, para ser exacto. Sim, estou em forma – disse Alor todo orgulhoso – faço muito exercício. Os mais avantajados da minha espécie chegam a pesar 6 gramas! Mas ainda te digo mais – 6660 calorias nem é assim tanto. No tempo frio, a ingestão de calorias pode dobrar...
– Xiiiiiiiiiiiii...! Mas...e não te cansas de andar de flor em flor?
– E, tu, não te cansas de estar aí sempre parada?
– Escusas de ficar todo arisco. Claro que gostaria de ver o mundo, mas como vês, estou presa ao solo e isso é, evidentemente, impossivel. Mas não é assim tão mau, pois sempre vou conversando com os bichitos viajantes que por aqui passam...O certo é que nunca falei com nenhum colibrí.
– Isso deve ser porque só agora é que “amadureceste”....
– Que queres dizer com isso? – replicou Bromélia-Flor, novamente na defensiva.
– ...se me deixasses terminar as frases, não teríamos destes mal-entendidos. Se calhar, apenas recentemente as tuas cores se tornaram garridamente vistosas. Eu, que já ando por aqui há algum tempo só hoje dei contigo. Somos muito sensíveis à cor.
– E antes de andares por aqui, por onde estiveste?
– Hã?
– Hã, não, o quê?...Perguntava se tens viajado muito?
– Apena por estas bandas...há flores, moscas, aranhas e formigas à fartura para me alimentar, sem ter que ir arriscar o pescoço em territário alheio.
– Quem haveria de querer fazer-te mal?
– Quem mais senão os colibris dessa outra área?
– Não entendo...
– Nós os colibris somos muito combativos e defensores do nosso território. Não gostamos que outros colibrís, ou outros pássaros quaisquer, venham meter o bico nos nossos assuntos...– como Bromélia-Flor não fez mais nenhuma pregunta, Alor prosseguiu – então, querida Bromélia-Flor, posso dar-lhe o tal beijinho que me pediu?
– Não fui eu que pedi...– mas, apercebendo-se, pelo olhar matreiro de Alor, que este apenas estava a brincar, acabou por ceder e deixou-se beijar.
O beijo não durou mais do que os normais 5 segundos, mas foi tão doce e tão intenso, que tanto Bromélia-Flor como Alor ficaram uns segundos sem ar e sem fala. O coração de Alor atingiu as 1800 batidas por segundo, de tal forma que Bromélia-Flor as conseguia ouvir e, a certo ponto, quase que jurava que as estava a sentir.
A romântica Bromélia-Flor estava nas núvens e o até então polígamo Alor estava confuso com o turbilhão de sentimentos que lhe percorriam o corpo todo. Mas, macho como era, lá conseguiu recompor-se.
– Bromélia-Flor, gostei muito deste tempo que passei contigo...
– Sim, eu também – interrompeu a flor, com uma voz entristecida, prevendo a despedida que se seguia.
– ...e gostaria de te pedir permissão para, a partir de agora, poder passar por aqui todos os dias, à mesma hora, até ao resto das nossas vidas, para podermos conversar um pouco...e eu te roubar um beijinho.
– Ora essa – disse Bromélia-Flor, com as pétalas um pouco mais ruborizadas – não precisas de roubar...eu dou-te todos os que quiseres.
          

- COPYRIGHT/Registado no IGAC

Se gostou de ler esta história por favor clique g+1 e/ou deixe um comentário.