Featured post

The Dreadful Dragon Heavy-Foot

( First posted in Portuguese,  in March 2011,  when J. was 5  years old) For my niece, Jessica Long ago when animals used to sp...

Thursday, 10 June 2010

Voltar a Sentir (2/3): As Percentagens do Amor

Seis dias mais um, foram o suficiente para me ensinares a amar a vida, a amar-me a mim mesma...ou a re-aprender a amar-me. Mas depois da euforia do voltar a sentir, caíu sobre mim o assombro da dependência do meu salvador: estava morta para a vida e contigo abracei-a de novo. Agora, quero-te e não te quero. Quero-te porque me completas. Não te quero pela mesma razão, pois acabas por me fazer sentir menos inteira.
Não pode ser saudável sentirmo-nos menos do que uma unidade.
Nunca amei ninguém menos do que 70%, pois isso seria uma pura perda de energia e tempo; nunca amei ninguém mais do que 90%., pois aí acabaría por perder-me na dualidade dessa unidade.
As percentagens, essas, nunca me deixaram mal...
...mas, então, se sou um ser a 100%, mas me fazes sentir menos do que Um, quanto de mim terei reservado para a auto-consevação e amor-próprio? Qual seria a percentagem mínima que faria sentido para te amar? 30%? 40%? E a percentagem máxima? Irredutivelmente, um cálculo ainda mais complexo...Alguma percentagem incompleta seria suficiente?
Por isso me afasto. Não quero ser a meia laranja de ninguém. Tão pouco quero encontrar apenas meia laranja...Quero uma laranja inteirinha e cheiinha de idiosincrasias; uma laranja que também se permita amar-me entre os 70% e os 90%, consoante o seu humor ou o tempo que faz lá fora...Que me ame nem demais, nem de menos.
Não quero uma laranja que me ame menos de 70%, pois não haverá espaço para a criatividade nem tão pouco quero uma que me ame a 100%, pois aí já não será uma laranja distinta de mim, mas sim uma que passará a viver a minha vida – um sufoco!
Não te quero, porque me confundes os sentidos. Não te quero porque me fazes perder o Norte. Não te quero, porque sem ti me fazes sentir menos do que uma unidade. Não te quero, porque me arrancas a terra firme debaixo dos pés...
Não te quero, porque te quero demasiado e por isso, só me resta fugir de ti nesta vida na esperança de que numa outra – ou amanhã – tu também te dês conta que és um ser completo, que também me poderás amar apenas 70% a 90%, dependendo do dia e da disposição com que acordares.
Quero-te porque me completas. Quero-te porque apesar de me completares, ainda tens espaço para seres tu. Quero-te porque sim.
«
Já duas semanas passaram depois daquele banho de vida que me deste. Quinze dias que não te toco, não te oiço, não te vejo; 360 horas privada do teu odor e sabor; 21 600 minutos tentando não pensar em ti, afastando-te do meu pensamento.
Tenho que fugir para abrir mão de ti, pois só deixando-te livre me poderei libertar completamente.
«
Duas laranjas caminhavam de sentidos opostos, quando num colossal choque-crash-bum-bang embateram uma na outra, libertando leves esguichos aromáticos, que se entrelaçaram e se complementaram, qualquer coisa entre 70% a 90%...

- COPYRIGHT/Registado no IGAC

Se gostou de ler esta história por favor clique g+1 e/ou deixe um comentário.

1 comment:

  1. Parabéns. Conseguiu um texto original. Gostei muito - aí uns 90%. :)

    ReplyDelete